15 de setembro de 2011

Conheça o Windows 8




Em uma colectiva de imprensa, a Microsoft,  por meio de Steve Ballmer e seus assessores,  disponibilizou as primeiras imagens e projectos para o Windows 8. O facto pegou todos de surpresa, já que existe outra versão em desenvolvimento, mas o facto foi justificado pelo baixo rendimento obtido com a versão de testes do Windows 7.


Além de prometer revolucionar a maneira como o usuário interage com a sua máquina, a empresa ainda ressaltou que desempenho e suporte a novas tecnologias, como processadores de 128 bits, renderização tridimensional em rede e comandos dinâmicos por voz.


A linha de versões que teve início com o Windows XP (Starter, Home, Professional, Media Center e versões 64bits) e seguiu no Vista (Starter, Home Basic, Home Premium, Business, Enterprise e Ultimate) provavelmente verá seu fim, uma vez que apenas dois pacotes foram anunciados: Enterprise Pack, codinome Imperia, e Personal Edition, também chamada de L’Aquila.


A primeira é uma versão completa, voltada para empresas que necessitam de múltiplas licenças. Para acabar com as dificuldades com custos, a novidade é o sistema Brain Cluster Interactive Operation. Operando desta forma, o sistema base é instalado em apenas um computador, apenas uma chave de produto, rodando em rede como uma réplica nas outras máquinas para operações diárias.


Já a versão pessoal será a mais barata na história do produto, mas o produto virá apenas com o básico para navegação na internet. Recursos adicionais como elementos gráficos, suporte ao reconhecimento biométrico e demais tecnologias, serão comprados separadamente ou em pacotes por meio de distribuição digital.


Um dos avanços que mais deve conquistar a atenção dos usuários é encontrado no sistema de autenticação e login do Windows 8. Antes o procedimento era realizado por meio de senhas, imagens ou leitura de digitais. Agora, na nova versão, serão aceites comandos de voz combinados à leitura de retina por câmera embutida na tela. É claro que este padrão de reconhecimento não é compatível com câmaras de baixa resolução. Justamente por este motivo, a nova geração de equipamentos deverá vir com resoluções acima de 15 Megapixels, além de algoritmos avançados para o reconhecimento de reflexão e refracção do globo ocular, o que torna impossível penetrar no sistema tentando utilizar fotos do usuário.


Acompanhando as tendências de implementação de telas sensíveis ao toque, o Windows 8 quer dar um salto adiante em relação à concorrência da Apple. O sistema oferecerá além do suporte para navegação por toques múltiplos, para zoom, pan, e até remanejamento de arquivos, reconhecimento extensivo de gestos. Significa que para abrir o Menu Iniciar basta arrastar o dedo para cima da tela, para maximizar todas as janelas, teremos que agitar os dedos de forma desordenada pela tela. Se não estiver próximo do monitor, não se preocupe, pois a mesma câmara utilizada para o login reconhece todos os seus movimentos, transformando-os em comandos quando solicitada.


Outro exemplo interessante, demonstrado pela empresa na conferência, foi à ordenação de espaços de modo personalizado. Para fazer com que as janelas ocupem espaços fixos em sua tela, basta tocar com os dedos todos os programas escolhidos e depois arrastar novamente o dedo nas áreas que cada um deve ocupar.


Para terminar a demonstração de reconhecimento de toques, a empresa mostrou o teclado virtual inteligente. Ele foi desenhado para possibilitar o máximo de conforto ao usuário que planeia digitar directo na tela, sendo ajustável em proporções ao tamanho padrão visto hoje.


Para activá-lo, o usuário necessita apenas tocar na tela com a ponta dos dedos em vários locais, por cerca de dez vezes rapidamente, exactamente como se fosse digitar um texto. Não é necessária uma ordem e nem mesmo precisão, o que torna tudo bem confortável e acessível ao usuário.


O melhor de tudo é que ele é projectado com um dicionário e com um glossário de programas embutido, serão 43 idiomas ao todo e mais de 500.000 nomes de aplicativos registados para corrigir todos os erros automaticamente. Se você estiver operando a máquina com uma Stylus, ainda pode recorrer à escrita sequencial, na qual você escreve o texto arrastando a caneta especial de letra em letra, sendo a técnica também conhecida por ShapeWriting.


Mas é agora que vem a melhor parte: com cada palavra inserida, o sistema se comporta exactamente como a busca do Google, oferecendo resultados próximos e sugestões de conteúdo relevante. Os resultados são filtrados de forma dinâmica e servem até mesmo para que você abandone o mousse (o que será muito útil no Counter Striker, rsrsrs).