26 de outubro de 2011

Crimes colocados pelos próprios criminosos no perfil do Facebook


1. Jovens portugueses postam vídeo no Facebook onde agridem violentamente uma colega.

Passou-se  em Portugal e ainda é um caso bastante falado. Duas raparigas de 15 e 16 anos foram filmadas pelos seus colegas da escola, a agredirem violentamente outra colega, com 14 anos. Tudo se passou num local público, em plena luz do dia, e o vídeo foi colocado na página de um dos cúmplices. Depois de investigado pela polícia, o autor da filmagem encontra-se preso e as duas jovens em casas de correcção.

2. Mulher foi presa por “picar” alguém no Facebook

Shannon Jackson de Tennessee, EUA, é uma utilizadora do Facebook que utilizou a rede social como cenário para o seu crime. Shannon “picou”, uma pessoa na rede. Até aqui nada de mal. O problema é que a senhora estava judicialmente proibida de se aproximar dessa mesma pessoa devido a uma ordem de restrição. O Estado de Tennessee indica que, ao ser violado esta lei, está prevista uma punição de 29 dias a 11 meses de prisão, para além de uma multa que pode atingir os 2,5 mil dólares.

3. Homem foi preso depois de fingir ser príncipe marroquino

Não é novidade para ninguém a existência de falsos perfis no Facebook, e os EUA tem um grande número de perfis falsos de personalidades conhecidas. No entanto o Governo Marroquino parece não ser muito adepto da ideia e não ver com bons olhos que a sua população faça o mesmo. Assim, quando em 2008, Fouad Mourtada quis ser o irmão do Rei Mohammed IV, foi preso, acusado de prática maldosa.

4. Polícia punido por postar fotos de cenas de crime

Mark Musarella, vigia de emergência médica do departamento de Polícia de Nova Iorque, colocou no seu Facebook fotografias de uma cena de crime que ele próprio foi socorrer. A senhora que se encontrava nas fotografias, e que foi vítima desta acção, foi Caroline Wimme. Mark, de 48 anos, foi julgado com uma sentença de 200 horas de trabalho comunitário, devido à falta de conduta. Como era de prever, o vigia foi também demitido e perdeu a sua licença de trabalho.

5. Mulher sentenciada depois de decapitar um rato e publicar vídeo

A utilizadora do Facebook, Naomi Anderson reside em Queensland, na Austrália, e depois de ter cortado a cabeça a um rato, filmado o sucedido, e colocado o vídeo no seu perfil do Facebook, que mostrava que o animal levava 40 segundos para morrer, foi condenada a uma sentença de 180 horas de serviço comunitário.

6. Pré-adolescentes acusadas de perseguição cibernética.

Duas pré-adolescentes estadunidenses foram acusadas de perseguição cibernética, ou o conhecido Cyberbullying, depois de terem invadido a página pessoal da rede social de uma colega da sua turma da escola, e colocar fotografias e mensagens de teor sexual explícito. Ambas as acusadas são menores, uma de 11 e outra de 12 anos, que também entraram no chat do Facebook da vítima, e marcaram encontros sexuais com vários rapazes. Esta grave situação foi, ao início, ignorada pela escola, mas depois se tornou um caso de polícia.

7. Casal preso após comer espécie rara de Iguana

Alexander Daniel Rust de 24 anos e Vanessa Starr Palm de 23 anos são um casal dos Estados Unidos, e foram presos depois da polícia ter encontrado fotografias suas no Facebook, a comerem uma espécie rara de Iguana. Estas fotografias chegaram ao conhecimento da polícia por diversas denúncias, e o seu conteúdo era chocante. As imagens mostravam o momento da caça, as partes do animal na churrasqueira, e as pessoas a comerem a Iguana. Alexander e Vanessa foram acusados de violar a protecção animal, e multados em 500 dólares cada um. Este é um caso que ainda não se encontra encerrado e deve voltar aos tribunais americanos.

8. Jovem contrata assassino para matar uma mulher

Um adolescente, dos EUA, pode incorrer uma pena de prisão de 11 a 22 anos, depois de admitir ter contratado um assassino de aluguer para matar uma mulher que o acusou de violação. Em Julho de 2010, a mulher terá ido à polícia depois do jovem ter postado no ser mural a seguinte mensagem “US$ 500 by a girl’s head” Este é um caso que ainda está a decorrer na justiça dos Estados Unidos.

9. Homem preso depois de pedido de amizade no Facebook

Um homem de 37 anos do Reino Unido tinha uma ordem de restrição de distância em relação à sua mulher. Após lhe ter solicitado um pedido de amizade no Facebook, foi detido e preso durante 10 dias. Em sua defesa, justificou-se dizendo que ficou confuso com os procedimentos do Facebook.

10. Jovem escreve sobre inundação que provocou em casas de banho

Um adolescente de 16 anos, residente em Portsmouth, em Inglaterra, escreveu no seu Facebook, sobre a inundação que ele mesmo provocou nas casas de banho de uma biblioteca pública da sua cidade, que causaram reparos na ordem dos 247 dólares. Após as suas afirmações na rede social, o jovem foi chamado para depor e confessou ter utilizado papel para tapar os ralos das pias e seguidamente abriu as torneiras do WC. Ao início, o jovem havia alegado estar inocente, mas a polícia encontrou uma resposta sua, no Facebook, a um amigo que perguntava acerca da inundação, ao que o jovem respondeu “Sim. Eu não falei sobre isso, Só alguns amigos sabem”.
Estes foram alguns exemplos daquilo que algumas pessoas são capazes de fazer, mas decerto existem muitos outros casos semelhantes, ou até mesmo mais graves.